As dúvidas e angustias de uma mãe de primeira viagem quando descobre que o seu tesouro é especial...

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

CENSURA... a mim própria!

Apaguei o post anterior.

Não é que tenha ficado muito ofendida com o que ouvi, não fiquei. Noutras alturas provavelmente teria aberto as torneiras e chorado baba e ranho, mas desta vez, não me incomodou assim tanto...
Não sei se é porque a mãe que falou me parece ser uma pessoa decente, mas não deixei de pensar nisso... e por incrível que pareça, senti-me pior por ter escrito o post anterior do que por ter ouvido o que ouvi.

Não posso julgar as pessoas por serem ignorantes, ou por nunca terem contactado com crianças autistas antes. Primeiro, tenho que fornecer meios de sensibilização, ou melhor, de educação, a todos os que nem sonham o que é viver com o autismo. Tenho que estar disponível para ensinar quem quiser aprender. Não é tarde nem é cedo....

O primeiro folheto está quase pronto e destina-se aos pais dos meninos do infantário do Diogo. Nele explico, muito resumidamente, o que é o autismo e quais as características de uma criança autista.

O segundo folheto vai logo a seguir, e vai ser para os meninos do infantário, onde vou tentar mostrar que o coleguinha autista da sala que grita muito e não brinca com eles, é um menino doce e com sentimentos, apesar de não os conseguir mostrar muito bem.


Se depois disto, alguém quiser conversar comigo e fazer perguntas, estarei com toda a certeza mais do que contente em explicar o que quiserem saber.

Mas se isso não acontecer, e mesmo com este meu pequeno esforço, alguém me continuar a dizer que o autismo é uma doença... eu só vou ter pena.  
Pena que não saibam a sorte que têm em ter filhos melgas que se interessam por banalidades e que lhes enchem os ouvidos com perguntas, ou que são vaidosos e gostam de escolher a roupa que vestem...

11 comentários:

  1. Já sigo o blog a algum tempo e devo dizer que gosto da sinceridade com que escreve.

    Infelizmente a ignorançia é o que mais se vê por ai :/

    ResponderEliminar
  2. Devo dizer que não sigo o blog, mas a partir de agora vou estar mais atenta.

    Será que podia partilhar também os folhetos, seria interessante para outros pais, eu inclusive.

    Obrigada

    ResponderEliminar
  3. Olá,

    No infantário da pequena estão totalmente preparados para crianças com PEA,aliás a minha não é a única lá e devo dizer que estou satisfeita com o trabalho feito por eles.
    Agora não ligo aos comentários das pessoas, posso dizer que de inicio sentia-me mal, mas também me ponho a pensar que isto ainda é tão novo para mim e que até há algum tempo atrás eu mesma não tinha noção do que era o autismo ou como seria uma criança com autismo. A minha pequena só começou a dar sinais e a regredir por volta dos 27 meses, por isso se pensar bem como posso criticar os outros.
    É duro de ouvir por ser mãe de uma criança autista, mas se a pequenina fosse dita"normal" será que eu iria compreender como agora!!!
    É duro para nós mães de crianças especiais ouvir esse tipo de comentários mas também acho que acabamos por nos habituar porque no fundo existem sempre comparações entre crianças, sejam elas especiais ou não.
    Por exemplo a minha sempre foi uma maravilha para comer, a sério mesmo uma boca santa.... A minha sobrinha que é um ano mais nova é terrível, por ela nunca comia nada, mesmo a minha ser a "especial" e a minha sobrinha ser a dita "normal" as pessoas fazem comparações entre elas e nem sempre(como no caso do exemplo que estou a dar)a minha é o problema, chegam a dizer há minha irmã que seria uma maravilha se a filha comesse tão bem como a prima que tem uma boca santa.
    Por isso toca a andar para a frente que a vida é assim mesmo.

    Bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre qualquer coisa a dizer, não é?
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Bom dia Daniela, o meu filho chama-se tambem Diogo e suspeito que seja autista. Ja fui ao Dr Miguel Palha em Janeiro deste ano que diagnosticou Essence o que na altura me encheu de esperança porque disse que podia não ser nada. Agora acho que foi uma perda de tempo. O meu filho tem 3 anos e meio interage pouco,não fala mas sabe o alfabeto todo, sabe contar e identifica palavras, não chama mamã e papá, evita contacto visual mas brinca com todos os brinquedos e abraça-me, na escola come tudo mas em casa não come sólidos. A hora das refeições é terrivel porque só quer potes e queremos que ele coma tudo como as outras crianças então faz birras terriveis e recusa a comida o que transforma a casa numa zona de guerra já que minha bebe começa também a chorar. Estou perdida não sei como proceder. O meu marido acha que ele não tem nada e evita o assunto. Resido no Algarve e aqui não há nada. Podia-me informar o que devo fazer para fazerem o diagnóstico já que quando mais cedo souber o que o Dioguinho tem melhor para o seu desenvolvimento. Tenho muito medo que não esteja a agir correctamente na sua educação porque sinceramente não sei como lidar adequadamente com a situação.
    O meu e-mail é vilacanito@gmail.com

    Brenda Silva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enviei email! Fico à espera...
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Já respondi. Muito obrigada por tudo.

      Beijinhos

      Brenda

      Eliminar
  5. Olá, Daniela!
    Sigo o blog já há algum tempo, aliás, quando o descobri ganhei interesse e li todos os posts anteriores. Várias foramm as vezes em que quis realmente comentar, para dar algum apoio, mas a verdade é que não sabia bem o que dizer. Não sabia porque tudo o que lhe poderia dizer, seria o mesmo que muitas outras pessoas já lhe tinham dito antes e de nada adiantaria. Não sabia porque não faço ideia de como é passar pelo que passa, não tenho qualquer formação nessa área e antes de começar a ler o blog só conhecia o autismo de nome. Agora que finalmente reuni as palavras, devo dizer-lhe que a admiro muito. Que, desculpe-me o cliché, é uma Mulher com M grande. Saiba isso e não deixe que a desvalorizem. Por mais lágrimas derramadas, por mais frustrações lembre-se que cada dia é uma vitória. A sua força é especial e este cantinho é prova disso. O Diogo tem uma mãe 'enorme' e um dia ele vai saber isso. Por isso, desejo-lhe toda a sorte do Mundo para si, para o seu marido e para o Dioguinho. Agarre-se a gente boa, não tenha medo do futuro e orgulhe-se de si.
    Provavelmente disse-lhe 'mais do mesmo', mas tive de dizer.
    Com todo o carinho,

    Uma Amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada... pelas palavras de conforto, pelo incentivo, pelo carinho, por estar aí...

      Amigas que nos dão valor não são demais, bem vinda!

      Beijinhos
      Daniela

      Eliminar
  6. Daniela, Deus está contigo e teu Diogo. Acompanho há desde feveireiro desde ano teu blog. Meu filho tem traços de autismo. Tu traz esperanças! Abraços e beijinhos do Brasil, Sabrina

    ResponderEliminar

Tenho que falar... senão dou em doida!

Todos dizem que está tudo bem mas o meu mundo desaba num segundo... Decidi escrever um blog (porque não?), onde vou desabafando e limpando a alma.

Quantos pais não estarão na mesma situação? Ter um filho diferente e não ter certeza de nada? Receio do futuro? E quanta ansiedade muitas vezes não significa NADA? Ou seja, passar 5 ou 6 anos com o coração nas mãos e depois está tudo bem, era só "uma questão de ritmo"? No meu caso, ainda continuo com a malvada incerteza, mas quem sabe...

E porque não desabafar aqui também? Terapia gratuita...
comentários, agradecem-se!