As dúvidas e angustias de uma mãe de primeira viagem quando descobre que o seu tesouro é especial...

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Tu sabes quem eu sou...

Para ti, meu pequeno, que sabes o que sinto sem perguntar. Estamos juntos neste caminho, neste mundo tolo e injusto e assim continuaremos, sempre. E que importa se o mundo não nos compreende?


U know who I am
"Yeah, I've walked through dangers
I've talked to strangers
But they didn't, they didn't understand
When the world seems senseless
It's me and you against them
And I love you 'cause you know who I am
All you dreamers keep dreaming
And let those dreams rise into the light
Go find someone who loves you
To live those dreams through
Don't you go get swallowed by the night
I've walked the stages
I've read the pages
And never, never reached the end
All the world seems senseless
You're here with me against them
And I love you 'cause you know who I am
Deep inside every soul
There's a sadness on the verge of climbing through
Now don't you try and fix it
Why would you do that?
How beautiful when sadness turns to songs
And I'll walk through dangers
I'll dance with strangers
But they will never understand
We'll never be defenseless
We'll win this war against them
Don't you doubt this, yeah I'm sure we can
And who cares if they never understand
And I love you 'cause you know who I am"
David Fonseca

Sempre. 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

4 anos!!!!

Tenho 3 ou 4 posts meio feitos... mas hoje vou voltar a deixá-los de lado.

O meu Diogo faz hoje 4 anos! 

Já mal me lembro das 14 horas em trabalho de parto, das "dúzias" de pessoas que me avaliaram a dilatação e fizeram pensar que nunca mais voltaria à forma original, das caras de susto dos obstetras quando viram que ele não saía, dos fórceps, do pânico que senti porque não mo mostraram quando ele nasceu e o levaram para a sala ao lado (porque estavam mais preocupados comigo)...

Lembro-me sim, do cheiro do pequeno quando chegou ao meu colo, do ar de êxtase do pai, do tamanho dos dedos (e das unhas!!!), da primeira vez que mamou, dos avós que voaram para a maternidade, do meu pai encostado à parede a chorar enquanto olhava para o neto pela primeira vez, da fila de gente que se juntou no dia a seguir, do jogo da Académica com o Benfica que eu espreitei da janela do quarto (Académica 1 - 3 Benfica), de ter medo de ir à casa de banho (dentro do quarto) para não o deixar sozinho...

Sei que não tem sido fácil aturar-me, filho. A mãe está sempre em stress e exige-te coisas que tu não consegues fazer (ainda). Acredita que és tudo o que sempre desejei, e que vou estar sempre aqui para ti.
O amor que sinto por ti cresce todos os dias e não vai desaparecer nunca. És o meu Diogo, o meu pirulito, o tiroliro, a minha peste... Parabéns, amor!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O lado positivo da coisa...

"Tens que ver o lado positivo da coisa!"...

Começo a ficar um bocadinho farta de ouvir isto... e confesso que não tenho metade da graciosidade de algumas pessoas que, ao ouvir algo parecido na pior altura das suas vidas, sorriem e ignoram. (beijos, amiga). Admiro quem é capaz de engolir uma resposta torta, mesmo que isso as deixe com a cara no chão.

Caraças, mas que raio é que as pessoas quando não sabem o que dizer, não mordem a língua e se calam?
"Ah, não fala? Tens que ver o lado positivo da coisa! Há sempre quem esteja pior!"
"Não brinca com outras crianças? Tens que ver o lado positivo da coisa! Pelo menos come bem, o meu é um stress para comer!"
"Podia ser pior! Tens que ver o lado positivo da coisa! Pelo menos não se apercebe que é diferente!"

grunf...

Não estou com isto a insinuar que toda a desgraça do mundo se abateu sobre mim. Nop. Eu sei bem que há pessoas que estão muito pior do que eu e estou sempre disposta a ouvir e a dar um abraço ou uma palavra de conforto.
Não estou a menosprezar a dor que as outras pessoas sentem com as suas próprias desgraças. Nop. Há dias em que basta que a impressora encrave para desencadear o Apocalipse, ou que o telemóvel fique sem bateria para que um portal do Inferno se abra e sugue toda a boa energia que ainda resta.

Apenas gostava que as pessoas entendessem isto: cada um tem as suas próprias desventuras, as suas próprias desgraças. Cada um tem o direito de se sentir frustrado e desanimado com a sua própria vida. Eu entendo, a sério que entendo.
O que eu queria era que deixassem de menosprezar os meus problemas, da mesma maneira que eu não menosprezo os problemas dos outros (ou pelo menos tento). Se para alguém partir uma unha é a desgraça total, eu não vou dizer que há quem não tenha dedos!!!! Posso pensar, mas não digo...

Às vezes, a única coisa que faz falta é um olhar compreensivo, ou alguém que nos faça rir.
Um abraço e um pastel de nata.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Era das tecnologias: parte II

A pedido de numerosas famílias e como prometido, aqui vai uma pequena lista de sites com materiais que podem ser utilizados com os pequenos (com ou sem dificuldades!)

Jogos para download:
video


Jogos online:

Sempre que encontre algo que mereça divulgação, aviso!

Só uma nota: fazer donwloads é ilegal. Certo. Experimentem baixar o preço das coisas, pode ser que as pessoas passem a comprar...

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Era das tecnologias...

É oficial! O meu filho não liga nenhuma a canetas de feltro, lápis de pintar ou de cera... NAAA! Faz um ou outro risco só para não ter que nos ouvir e deixa os materiais sem lhes ligar nenhuma... É mais uma frustração a juntar a tantas outras, já que todos os dias lá são expostos os trabalhinhos dos coleguinhas e dele, nada (ou uma riscalhada qualquer quando está inspirado!). Ainda pensei que, gostando tanto de letras e números, fosse fácil motivá-lo para a escrita, mas não, não interessa em absoluto.

Agora, se a riscalhada for feita em computador... a coisa muda de figura! Há uns meses que reparei que a terapeuta da fala usava um iPad e que ele gostava de ver as animações e os sons... escusado será dizer que não descansei enquanto não arranjei uma coisa parecida:
Não é um tablet, é um pequeno computador touchscreen. Tem 320 Gb de disco (contra os máximos 64 Gb do Apple), 3 Gb de RAM e corre com o Windows 7, ou seja, faz tudo o que um computador faz. O meu puto A-D-O-R-A! É certo que o iPad tem vantagens, porque utiliza o Android como sistema operativo e as aplicações existentes no mercado são de grande qualidade e interesse (especialmente para quem tem miúdos com dificuldades), mas estou imensamente satisfeita com a nova aquisição (apesar de ter ardido o subsídio de férias, provavelmente o último que receberei na vida...).
O que eu uso com ele: 
  • PowerPoints feitos por nós: animais, objectos, transportes, números, letras... tudo o que eu me lembre que possa servir para aumentar o seu vocabulário.
  • Alguns jogos que "encontrei" na net e que acho que são simples e eficazes, com animações e sons que estimulam a sua atenção e concentração (MerryMotors, Fishdom, Crazy Birds, entre muiitooossss outros....)
  • Jogos online: Chamo a atenção para o Mundo do Pocoyo! Bem, quem ainda não foi com os miúdos a este site, está na hora de perder umas horitas... registem-se na versão gratuita e deliciem-se (sim, os pais também!) com  as dezenas de jogos, filmes, histórias e maravilhas do Pocoyo! Muito fácil e com jogos fantásticos (entre eles identificar os animais pelo som e reciclagem !). Qual Farmville, qual carapuça!!!!
  • e a novidade: BlueStacks! um aplicativo que permitirá (ainda em fase de testes) correr as maravilhosas aplicações para Android num vulgar computador com Windows. Experimentei e estou convencida! O problema é que como ainda está em fase alfa, há poucas aplicações disponíveis mas algumas delas são bastante apelativas. O Diogo adora o "Kids connect the dots", onde ele toca nos números e vão aparecendo as imagens.
Vou fazer uma compilação de sites com conteúdos que possam ajudar pais e filhos a entrar nesta nova era... em que rato, é um animal que gosta de queijo




AH! Escusado será dizer que para o Diogo tudo é touchscreen  cá em  casa agora: os telemóveis, a televisão, o pc do pai, os livros, a porta do frigorífico... :)
Tenho que falar... senão dou em doida!

Todos dizem que está tudo bem mas o meu mundo desaba num segundo... Decidi escrever um blog (porque não?), onde vou desabafando e limpando a alma.

Quantos pais não estarão na mesma situação? Ter um filho diferente e não ter certeza de nada? Receio do futuro? E quanta ansiedade muitas vezes não significa NADA? Ou seja, passar 5 ou 6 anos com o coração nas mãos e depois está tudo bem, era só "uma questão de ritmo"? No meu caso, ainda continuo com a malvada incerteza, mas quem sabe...

E porque não desabafar aqui também? Terapia gratuita...
comentários, agradecem-se!